[ anatômica I ]

Tinha a pele de palavras feita.
Ao toque dos lábios na nuca,
os poros em pânico,
o colo quente,
polegares encolhidos nos pés.
Gesto que abre a carne,
desnuda músculo em flor;
convolações em cada sarda
veia
pêlo
chaga.
Outro toque.
Terremoto,
e o gosto da alvura dos dentes.
Voz. Gesto. Tudo.
E as palavras correm
pela pele,
perfurando poros.
Ataque epiléxico,
alfabetos e bisturis em transe.

[ 100tidos ]

Som que sai da sala.
Sibilante.
Sinos ensandecidos.
[Surdo]

Músicas que todos cantam.
Milongas miméticas.
Melodias em Mi menor.
[Mudo]

Cítaras em coro
(centenas).
Cínicas como a cidade.
[Cego]

Pregos nos pulsos.
Pedras nos pátios.
Pomares.
Primogênitos nas portas
[pausa]

[ desterro ]

Deliberada e instransitivamente desterro.
Alijo – agora e tão logo exista de novo – o que d’além trouxe comigo,
o que d’outrora ficava até então.
Porção de mim cercada por todos os lados,
cerceada por todos os lábios.
Por isso desterro.

[ extintores ]

Não se os julgue pela rubra aparência,
nem pela imobilidade fria,
nem por não terem versos grafados em seus corpos duros,
nem por parecerem estar ali como abutres,
a esperar que o fulgor de uma chama os alimente e os faça vivos,
mesmo desfazendo-se de suas polpas.

Que se os julgue apenas por isto:
de que servem objetos tão vermelhos e desprovidos de espinhos
se não podem ser deixados sobre uma mesa,
acompanhados dum cartão no qual
– à parte as declarações cardíacas –
leia-se o pedido de devolução de alguns livros do remetente,
que ainda sente a falta da destinatária?

[ de lábaro ]

A Manuel Bandeira.

“Si es lo mismo el que labura
noche y día como un buey
que el que vive de las minas,
que el que mata o el que cura
o está fuera de la ley.”
Enrique Santos Discépolo.

Não sou de levantar bandeiras,
Porque levantaria essa?
Por que três vezes,
por que trinta e três?
Saio dos jardins,
entro nos quartéis,
não ensaio mais o
velho tango de…
como era mesmo o nome dele?
Desnudo, estetoscopicamente desnudo.
Rodela fria nas costas, escarro arraigado.
Tenho um fosso, além do nasal:
é no pormão, seu dotô; dá pena.
Pôr mão na pena e não sair nada.
– Estás bem, meu senhor.
– Mesmo, doutor, mesmo?
– Não, não mais o mesmo.

[ cronobiológica I ]

Meço os ciclos por cães mortos.
Desde ela, já se foram três.
Ignoro nascimentos por simples motivo: cães simplesmente aparecem.
Tampouco faço dos gatos medida: costumam fugir de casa antes do sétimo óbito. Cães esbarram no portão.
– Toby… Toby… Toby! Tempo imóvel na grama.

[ horas ]

São vinte e três horas e vinte e dois minutos.
Não chove.
O cão parou de comer grama
(dor de barriga, dizem),
está mais magro
mais preto que os olhos fundos
de onde solta uma lágrima
– gota-alimento da relva que devora –
fina, crua e límpida. Cristal líquido.
Não sabe que doer barriga é menos
que ter a goela dos dedos travada.
São vinte e três horas e trinta e três minutos.
Hora do antibiótico, da ração e da assinatura.

S. H. Brincher