Diário de um tratamento

Ontem foi o primeiro dia dos últimos dois meses que não me viu acordar com forte palpitação. Até ontem, era rotina. Coração explodindo na garganta, tremor, ausência total de fome e um desejo insuportável de sair de casa. Tomava o medicamento – cloridrato de sertralina – e saía. Por cerca de duas horas e meia, tomava o rumo da Beira-Mar e só voltava quando o sinal do cansaço era evidente. Chegava, tomava um copo de suco ou achocolatado, tentava escrever a dissertação. Nada. Só aquele turbilhão de pequenos pensamentos fuzilando os neurônios. À tarde, já com o organismo cloridratado, vinha alguma pacificação, duradoura até a noite. Deitava às 02:00, acordava às 07:00 e tudo se repetia. Ontem foi meu primeiro dia sem rotina. Ontem e em uma ou duas tardes por semana nas quais a vida, personificada, resolvia me dar um sorriso. Sinais de melhora à vista.

[ esverniana III ]

Conheço poucos cães de três pernas à exceção do que habita meu pátio.
Vejo-o correr como se fossem muitas: só quando,
no ritmo cadenciado dos passos, anda
é que faz notar sua condição.
Aquele membro em branco, que menos falta ao corpo que aos olhos fere,
é igualmente memória de que só o animal que nos habita, se liberto,
está apto a ocupar o vazio.
Somente a imagem de seu grito, escandaloso e visceral,
faz surgir órgãos e sentidos esquecidos.

[ os pedidos prévios ]

Jamais exigi que entendesses as pequenas brechas que propositalmente – e não raras vezes – eclodiam em meus pequenos devaneios ao café da manhã – sempre abraçados pelas paredes – enquanto, com pressa, te arrumavas para ir ao trabalho.

Em nenhum momento fiz menção ao vazio que sentia quando, à noite, depois da janta e do noticiário, no leito tangenciavas meu sexo sem antes ensaiar um afago, insinuar um beijo, libertar algum murmúrio que indicasse que ali, naquele espaço de nascer e morrer, havia uma linguagem que nos tocava a ambos.

Nunca disse o quanto havia de bucólico e aterrador naquele sol que se esparramava como uma gema furada sobre nossas – o cão estava sempre lá – cabeças quando nos sentávamos sobre a duna para, ao longe, observar, singrando o asfalto quente da tarde, aquela que foi a mais esperada das bicicletas daquela rua.

Hoje, mesmo com os tortos paralelepípedos da minha estrada, as telhas de barro que me cobrem e o morro que me priva do crepúsculo com alguma antecedência, até fritar um ovo me faz chorar.